VW escondeu vulnerabilidade nos seus carros durante 2 anos

Os automóveis têm enfrentado tempos difíceis ultimamente no que diz respeito à segurança, com diversos ataques que demonstram as suas vulnerabilidades, e que nalgumas marcas chegam a permitir o controlo remoto do veículo. Agora, chega-nos mais um exemplo de como a indústria automóvel tem mesmo que repensar a forma como lida com estas situações, ao se descobrir que a VW tem estando a tentar esconder uma vulnerabilidade nos seu carros há anos.

VW_vulnerabilidade

O que se passa é que, tal como aconteceu há alguns anos com o sistema KeeLoq – um dos chips usados pelos fabricantes para autenticar a chave do veículo, permitindo a abertura das portas e o seu arranque – também o chip Megamos usado pelo grupo VW foi “crackado” por hackers, tornando-o praticamente irrelevante.

Isto significa que qualquer ladrão equipado com as ferramentas correctas, consegue abrir e por um carro a funcionar em questão de minutos (ou até segundos). Os investigadores informaram o fabricante do chip destas vulnerabilidades em 2012, e posteriormente a VW em 2013 (sendo que há muitos outros fabricantes que também usam estes chips, como o grupo FIAT, incluindo a Ferrari, e também a Kia, Opel, Citroën, entre outras). Mas a resposta da VW mostra precisamente porque motivo a atitude tem que mudar, pois em vez de informarem os seus clientes dos riscos, optaram por colocar os investigadores em tribunal, para os impedir de revelar os seus estudos.

O resultado prático é que, durante os dois últimos anos, em vez de admitirem que todos estes milhões de veículos – incluindo modelos de luxo, como Ferraris, Maseratis, e Cadillacs – estavam praticamente de portas abertas a atacantes, preferiram deixar que os clientes ficassem na ignorância de pensar que os seus veículos estavam protegidos convenientemente.

… Se muitas pessoas já ficam indignadas por os seus smartphones não receberem uma actualização de segurança passado 12 ou 18 meses, o que se poderá dizer de fabricantes de automóveis que preferem enterrar a cabeça na areia e tentar esconder aquilo que se passa?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *