Carro do Google já dispensa volante, acelerador e travão

Quando se fala em automóveis sem condutor, a maioria das pessoas ainda imagina veículos semelhantes aos que temos hoje. Mas na realidade, a não existência de um condutor faz com que muito possa ser mudado, como o Google agora demonstra com mais um protótipo que nem sequer tem volante nem pedais de acelerador ou travão.

GoogleSelfDrivingCar

Poderá parecer uma loucura ter um automóvel sem estes instrumentos básicos de controlo, mas é apenas uma “loucura” que vem no seguimento da revolução que os automóveis sem condutor proporcionam. Sem necessidade de um condutor, mudam os paradigmas e os requisitos para a concepção destes veículos – que talvez sejam mais facilmente compreendidos se forem encarados como “células autónomas de locomoção”.

Em vez um carro onde se têm que conjugar todos os sistemas mecânico de volante, pedais, posição do condutor e visibilidade do condutor para a estrada; com um carro autónomo fica-se livre de muitos desses requisitos. No essencial, poderemos imaginar uma pequena cabine com cadeiras confortáveis… e mais nada.

Neste protótipo de aspecto divertido, o carro do Google está limitado a uma velocidade máxima de 40Km/h, e é feito com materiais macios e deformáveis para minimizar ferimentos em peões. Outra das vantagens: o carro conta com um conjunto de sensores mais avançados do que os protótipos com base em automóveis já existentes, tendo uma vista completa a 360º em seu redor, e com capacidade de ver objectos a muito maior distância.

 

[vimeoembed id=”95417016″]

Penso que veículos destes nos levarão para um futuro onde a “necessidade” de ter carro próprio passará a ter menos peso na sociedade; e para além de uma frota de transportes públicos colectivos (igualmente autónomos e sem necessidade de condutores), teremos um exército destes pequenos veículos que poderão vir buscar-nos e levar-nos ao destino pretendido à hora pretendida, e seguir viagem para fazer o mesmo com outras pessoas. Já imaginaram o que será não ter necessidade para milhares/milhões de lugares de estacionamento, porque deixa de ser necessário ter espaço para deixar carros parados 90% do tempo?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *