Surveillance Detection Scout transforma Teslas em postos de vigilância móveis

E se para além das imagens gravadas pelo vosso automóvel pudessem saber onde e quando viram certos tipos de carro, ou uma determinada matrícula, ou até saber se um determinado rosto anda a rondar o carro há vários dias?

Tudo isso e mais é possível com um pequeno computador que se pode ligar a um Tesla.

Há muito que temos alertado para as imensas potencialidades (incluindo as mais abusivas) do que se pode fazer com as imagens captadas pelas câmaras nos automóveis; e eis que temos um investigador de segurança que nos mostra o que isso significa na prática com o “Surveillance Detection Scout“, um pequeno mini-computador baseado num Nvidia Jetson Xavier que se pode ligar a um Tesla através da porta USB e que passa a fazer o reconhecimento de automóveis e pessoas que estejam em seu redor.

O investigador Truman Kain diz que nem sequer teve muito trabalho, já que se limitou a utilizar software open-source já existente, como o ALPR Unconstrained e Facenet, para o reconhecimento de veículos, matrículas e rostos. Sendo o resultado uma pequena caixa que pode registar onde e quando viu cada carro pelo qual passou, e também pessoas.

No seu formato actual foram propositadamente deixadas de fora certas funcionalidades, como a tentativa de identificação dos condutores dos veículos (há serviços que permitem saber que nome está associado a uma matrícula); ou o envio dos dados para um servidor central, que englobasse estes dados de todos os utilizadores, criando uma mega base de dados que faria as actuais bases de dados de reconhecimento de matrículas parecerem uma simples brincadeira. Ainda assim, pode fazer coisas como alertar um condutor caso esteja a ser seguido há demasiado tempo por um mesmo veículo, entre outras regras que se possam querer implementar.

O maior “problema” é que isto que aqui está a ser feito a título pessoal por condutores individuais, acabará inevitavelmente por ser feito pelas próprias marcas – aliás, como já foi confirmado até pela própria UE. Tudo o que acontecer em espaços públicos ao alcance das câmaras de um automóvel passará a ser algo com boas probabilidades de ter sido captado e registado – com tudo o de bom e de mal que a isso está associado.

Publicado originalmente no AadM

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *